Imagine, construa, teste e lance seu próprio Satélite!
 É possível!

1ª OLIMPÍADA
BRASILEIRA DE
SATÉLITES MCTI
rocket

As inscrições e datas da OBSAT estão temporariamente suspensas. Maiores informações em breve.

Sobre

A Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI é uma Olimpíada Científica de abrangência nacional, concebida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e organizada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em conjunto com a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI) e a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), da Universidade de São Paulo (USP).

Olimpíadas Científicas

As olimpíadas científicas são iniciativas para promover a popularização e difusão da ciência e tecnologia junto aos estudantes Brasileiros, além de despertar o interesse por carreiras na área de ciência e tecnologia de forma atrativa, e sempre que possível, prática. De fato, vários estudos científicos já demonstraram que as atividades práticas promovem um aprendizado mais atrativo e eficaz.

Em geral, as olimpíadas científicas são iniciaticas públicas, sem fins lucrativos, promovidas por editais pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), unidade vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Nos últimos anos, diversas olimpíadas foram, e continuam sendo realizadas financeiramente pelo MCTI, dentre elas as Olimpíadas Científicas de Física, Robótica, História e Astronomia. Essas olimpíadas possuem um objetivo comum estabelecido por edital:

“Atuar como instrumento para a melhoria dos ensino fundamental e médio, bem como identificar jovens talentosos que possam ser estimulados para carreiras técnico-científicas“.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações também realiza a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), através de sua vinculada, IMPA - Instituto de Matemática Pura e Aplicada.

A Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI - OBSAT

Você já pensou que ao assistir TV, acessar Internet, suas informações chegam até você, muito provavelmente através de um satélite!? Previsão de chuvas, comunicações, estudos do universo, monitoramento de fronteiras, queimadas e até monitoramento de fazendas. Tudo isso são aplicações de satélites, dentre várias outras.

E se você pudesse construir seu próprio satélite? Sim, é possível! E bem mais simples do que você imagina! Os avanços da ciência e tecnologia já viabilizaram que componentes de custo acessível possam ser usados para construir pequenos satélites, normalmente chamados de TubeSats, CanSats ou CubeSats, que podem ser lançados para órbita e executam missões reais!

Mesmo para grupos iniciantes no assunto, existem várias fontes de informações, mas também é possível comprar kits para que se tenha foco no desenvolvimento da sua ideia / aplicação para um satélite.

A Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI tem por objetivo promover experiências teóricas e práticas em projetos de satélites de pequeno porte, difundindo a cultura aeroespacial para estudantes e professores de instituições de ensino de nível médio, técnico profissionalizante, e universitários. A OBSAT é gratuita para qualquer aluno matriculado em instituições brasileiras de ensino fundamental, médio, técnico ou superior. Como objeto de trabalho, e ao mesmo tempo ferramenta de aprendizado, utilizam-se pequenos satélites, chamados de CanSats, TubeSats, PocketSats ou CubeSats.

Vale lembrar que em 2019, a Agência Espacial Brasileira, vinculada ao MCTI, organizou a Olimpíada de Desenvolvimento Espacial e Aplicações (ODE) (http://www.aeb.gov.br/10194-2/), que foi integrada à OBSAT em 2020. Além disso a Agência Espacial Brasileira dá suporte à competição CubeDesign (http://www.inpe.br/cubedesign) desde sua criação em 2018, organizada pelo INPE.

Valor Educacional no projeto de pequenos satélites

O projeto de satélites de pequeno porte aborda diversos ramos do conhecimento de maneira interdisciplinar, promovendo o ensino, colaboração e trabalho em equipe. Os participantes terão a oportunidade de desenvolver, integrar, testar, lançar e analisar os dados obtidos. Ao longo do processo, os alunos terão a oportunidade de:

  • Aprender a partir de experiências práticas;
  • Familiarizar-se com a metodologia científica;
  • Aproximar-se da cultura aeroespacial;
  • Aprimorar habilidades pessoais e de comunicação;
  • Adquirir e aprimorar conhecimentos técnicos científicos;
  • Desenvolver o pensamento empreendedor;
  • Reconhecer inovação e gerar novos negócios, quando pertinente;
  • Acompanhar de perto uma operação de lançamento de sondas, através de foguetes ou balões.

Outros países também já possuem iniciativas similares, como a competição de CANSATs da NASA (http://www.cansatcompetition.com/) e a European CanSat Competition da ESA, já em sua décima edição (https://www.esa.int/Education/CanSat).

Apresentação

A Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI tem por objetivo promover experiências teóricas e práticas em projetos de satélites de pequeno porte, difundindo a cultura aeroespacial para estudantes e professores de instituições de ensino fundamental, médio, técnico profissionalizante, e universitários.